Sun. Sep 25th, 2022


A “sophomore slump” é um fenômeno bem documentado em que um segundo esforço não consegue corresponder aos padrões relativamente altos do primeiro esforço. Exemplos comuns incluem escolaridade, atletismo, televisão ou filmes e videogames. Claro, também se aplica à música em que um álbum de estreia de sucesso é seguido por um segundo que não consegue viver até o primeiro.

Abaixo estão dez exemplos de álbuns de EDM onde o segundo foi melhor que o primeiro – não necessariamente uma “queda do segundo ano”, por si só, já que esses álbuns mais do que superaram seus antecessores.

Modestep – London Road

Os fãs ficaram empolgados com o álbum de estreia do Modestep, Teoria da evolução, em 2013, após seus sucessos “Show Me A Sign” e “Sunlight”. Mas, por mais atemporais que sejam esses singles, o álbum como um todo não se sustenta como há quase uma década.

Em seguida, lançaram Estrada de Londres, que nomeamos nosso álbum nº 7 do ano. Muito mais ousado e com inclinação ao rock, o álbum acabou com o som mais pop do álbum anterior e se inclinou para colaborações com Teddy Killerz, Culprate, FuntCase e Trolley Snatcha, além de metal com Skindred e grime com uma enorme colaboração com Rude Kid, Big Narstie, Dialeto, Descarda, Flowdan, Frisco e Layz.

Como um todo, o projeto nos surpreendeu e ainda o repetimos até hoje.

Odesza – Em Flor

O primeiro álbum de Odesza foi tão esquecível que quando Um momento à parte saiu, nós erroneamente o chamamos de seu segundo álbum. Não é isso O verão se foi é um álbum ruim. É mais correto dizer que a maioria dos fãs hoje provavelmente os descobriu em seu segundo álbum, de 2014 Em troca.

Quase todas as músicas do álbum são um sucesso, e cada uma é mais poderosa com as que a cercam. No entanto, ouvir “Say My Name”, “White Lies” ou “It’s Only” por conta própria ainda evoca doses iguais de nostalgia e admiração.

Daft Punk – Descoberta

Daft Punk saiu com seu álbum de estreia, Trabalho de casa, em 1997, muito antes de a maioria dos novos fãs de EDM de hoje terem nascido. (Deixe-o entender.) Singles como “Da Funk” e “Around The World” chamaram a atenção para o nome, mas não foi até Descoberta quatro anos depois, eles realmente consolidaram seu status de lendas.

“One More Time” e “Harder, Better, Faster, Stronger”, em particular, eram tão populares que chegaram às estações de rádio nos EUA que normalmente atendiam aos gêneros rock, alternativo e pop. Este último foi amostrado por Kanye. Para dizer aquilo Trabalho de casa é melhor por qualquer esforço da imaginação, embora fosse sua estréia importante, seria uma mentira.

Flume – Pele

Nossa primeira de três escolhas mais controversas nesta lista, Pele é melhor que Calha.

O álbum de estreia do futuro pioneiro do baixo australiano tem um incrível domínio sobre os fãs com singles como “What You Need”, “Holdin On” e “Sleepless”. Mas o álbum saiu em 2012, alguns anos antes do “futuro baixo” ser uma coisa, e isso se reflete na organização e composição mais díspares do álbum.

Por outro lado, Pele, mesmo inclinando-se tanto para o pop, é um álbum muito mais coeso. Trazer muitos vocalistas para unir os temas ajudou o álbum a conseguir várias colocações na Billboard e ainda será um dos projetos mais fortes de Flume que ele lançou.

Baauer – PLANET’S MAD

A abordagem de Baauer para seus álbuns é fascinante. Com Aa, ele viajou para Glasgow, Japão e Emirados Árabes Unidos para gravar e produzir o projeto, dando-lhe um som e apelo internacional. Com LOUCO DO PLANETAele levou seu foco para fora e imaginou que cenário em que nosso planeta foi totalmente destruído.

Para ser honesto, este é realmente uma questão de gosto. Ambos os álbuns apresentam motivos sonoros radicalmente diferentes, mas LOUCO DO PLANETA é de longe um álbum mais experimental e no qual você pode dizer que Baauer realmente se esforçou sonora e profissionalmente.

ZHU – DESERTO DE RINGOS

Quando ZHU lançou GERAÇÃO PORQUÊ em 2016, ele ainda não havia retirado o véu de seu projeto. Ele ainda se apresentava atrás de uma tela translúcida e usava o grampo borsalino, mas com um véu na frente do rosto. Para esse efeito, quase parecia que não estávamos recebendo o verdadeiro artista quando o álbum foi lançado.

Avance dois anos e ZHU cresceu como artista e como projeto. DESERTO DE RINGOS foi uma exibição brilhante de progresso musical, com faixas como “Burn Babylon”, “Provacateur” e “Desert Woman” liderando o ataque.

RL Sujeira – Nova

Nossa segunda escolha controversa – Nova de RL Grime. Ao consultar um amigo sobre esta lista antes de publicá-la, sua resposta foi: “Você está fumando crack”. Eu nunca experimentei crack, então não sei do que ele está falando, mas posso reconhecer que essa escolha pode ser uma loucura.

No entanto VAZIO é um álbum absolutamente icônico por muitas razões, como muitos dos exemplos anteriores, Nova realmente exemplificou um desenvolvimento em seu som e estilo que ressoou com fãs e críticos.

Zedd – Cores Verdadeiras

Encerrando nosso controverso trio, Verdadeiras Cores por Zedd é apenas melhor do que Clareza e se você não concorda, então você está cego pela nostalgia. Ao contrário de Modestep, Zedd começou com um som electrohouse mais corajoso e mergulhou direto no pop com seu segundo álbum, mas naquela época ele já tinha aperfeiçoado isto. Ele tornou o gênero próprio e incorporou elementos do pop em sua própria produção única e o resultado foi nada menos que de tirar o fôlego. Seu original Verdadeiras Cores conjuntos de festivais continuam sendo alguns dos nossos favoritos para ouvir em dias chatos, quando precisamos de algo para nos animar.

deadmau5 – Título do álbum aleatório

Título do álbum aleatório é quase um “gimme” nesta situação, muito parecido com o de Odesza Em flor. O álbum seguiu sua estréia, Vexilologialançado em 2006. O som clássico do deadmau5 lhe rendeu alguns shows em festivais e afins, mas Título do álbum aleatório fez dele um nome familiar e trouxe o icônico red mau5head para seus sets por anos.

Alimente-me – Terça-feira de Calamari

Evitando seu apelido original de Spor, Feed Me entrou em cena no início de 2010 com Alimente-me a grande aventura, uma exibição estridente de electrohouse e baixo que abalou o EDM com um caráter verde e travesso na vanguarda. “Green Bottle” e “Cloudburn” se repetiram nos clubes por meses, mas como um projeto coeso, Calamari terça-feira leva o bolo.

Alguns consideram FMBA um EP, apesar de ter 10 faixas, apenas pela natureza de seu lançamento. Portanto, este pode ser o único exemplo em que a queda do segundo ano realmente atinge (com Travessuras de rua seis anos depois), mas para os propósitos deste artigo, estamos optando por visualizar FMBA como um álbum. E nesse caso, Calamari terça-feira apresenta como uma versão totalmente mais completa e visionária e um exemplo do que Feed Me era na época.

Foto via aLIVE Coverage for Ultra

By admin